Idiomas

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

14 de maio de 2017

O dia das mães dentro da atual conjuntura

   
  Penso que, mãe é sinônimo de amor incondicional, sem falar no imenso desdobramento a que a mesma é posta a prova todos os dias, para superar-se diante das adversidades. Mulher, esposa, trabalhadora, auxiliadora, conciliadora e sábia no que tange a expertise em ensinar o sentido da vida. Ser mãe é fazer um constante exercício de equilíbrio emocional para estabelecer a harmonia no lar e com isso tornar possível um ambiente de paz e felicidade e é assim que esta faz a sua diferença em meio ao contexto social no qual estamos inseridos. Esta realidade faz com nós reflitamos, e mais do que isto, exige e requer de todos uma postura frente ao rumo desastroso para o qual o nosso país e o mundo têm caminhado com crianças cada vez mais bem informadas sobre aplicativos etc, mas em meio a um imenso cenário de desagregação familiar. Pais e filhos divididos por conta da falta de comunicação e de compreensão. O distanciamento e o desamor estão cada vez mais presentes no seio da humanidade o que é muito triste e lamentável. A proposta é que as famílias haja em conjunto e que venham se comprometer a fazerem cada qual a sua parte para que todos juntos projetemos um mundo melhor.





    Admirável papel, mas que nem sempre é valorizado como se deveria por conta de um vergonhoso hábito gerado pelo exacerbado mercado de consumo que promove a todo o custo a importância do materialismo como regra basilar quando isto deveria ser a última coisa a ser vislumbrada. A questão infelizmente extrapola o campo do consumismo. Tudo se torna ainda pior quando observamos que por conta de um sistema deficitário, crianças acabam tornando-se mães ou pais  cada vez mais cedo, sem sequer terem estrutura física e emocional para tal. Com isto, vemos uma geração desestruturada e sem perspectivas. Adentrar a determinadas questões é tocar o dedo na ferida, é triste, mas se faz necessário para que as pessoas parem de fantasiar tanto as coisas. Penso que, sem generalizar cria-se uma mascará para cada papel e as pessoas vão vivendo sem que a vida tenha sentido. A vida precisa ter sentido e isto se dá quando aprendemos a dimensionar as consequências de nossas atitudes. A figura materna infelizmente não tem sido valorizada como se deveria. No entanto, o contexto de valores, ora passados pelos pais nem sempre se coadunam com a maneira adequada de se educar. Sendo a mãe o espelho de exemplos para os filhos é fundamental que esta tenha uma postura harmoniosa e condizente com o papel que possuí. Caros amigos e leitores precisamos urgentemente revertermos este quadro. Quando cito acima a questão da desagregação familiar o faço percebendo o quanto é grave e como isto tem influenciado de maneira negativa as relações humanas. Somente através das relações harmoniosas é que conseguiremos obter êxito em nossas lutas. Sempre procuro tratar das temáticas com a máxima propriedade e neste caso deixo o link do artigo em, 12/05/2013 aonde contei um pouco sobre minha história de vida. Segue o link: http://jluciano442.blogspot.com/2013/05/dia-das-maes_12.html

  Conclusão, a realidade atual é muito preocupante e falar somente de nada vai adiantar se não houver atitudes pontuais, que caminhem lado a lado com este ideal de educação e valores. Algo tão sagrado. Desejo a todas as mães do brasil e do mundo um feliz dias mães e um abençoado dia a todos!!!


João Luciano Silva da Costa.