Idiomas

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

20 de janeiro de 2017

Uma perda a ser refletida

  
  O falecimento de maneira trágica e sem precedentes do eminente Dr. Ministro do STF (Supremo Tribunal de Justiça): Teori Zavascki deixa-nos órfãos de um cidadão que militou com absoluta propriedade em defesa do cumprimento do direito, pautando-se pela coesão, sensatez e sabedoria. Imparcialidade e discrição foram também às marcas registradas de seu legado que, certamente ficará registrado nos anais do STF (Supremo Tribunal Federal) e dentro do mundo jurídico. Que os poucos que possuem a destemida coragem do supra magistrado possam continuar a fazer o cumprimento das leis, a fim de que a batalha pela justiça de um mundo melhor para todos nunca cesse.

  O Brasil passa por um de seus piores momentos. As crises que se seguem tomam um vulto cada vez maior, o que é assustador, pois me questiono sobre o que será da geração atual e da geração futura. É uma lastima a perda de homens que como o referido magistrado Teori Zavascki ainda possui hombridade e coragem para utilizarem o poder que possuem para encarar os criminosos que figuram no cenário político de nosso país. Políticos que só fazem roubar e roubar fazendo ruir as bases de um país que possuí tudo para dar certo. Como brasileiro lamento o ponto em que chegamos e utilizo-me de minha página para tecer palavras que façam com que todos possam de certo modo refletirem sobre todo o contexto relativo a saúde, educação, emprego dentre vários outros fatores. Além de o Brasil ter tido a perda de um brilhante magistrado, teve, sobretudo, a perda de um ser humano de bem. Não o conheci, mas pude ler sobre sua trajetória e perceber o brilhantismo, coragem e galhardia com que o nobre magistrado defendeu e vinda fazendo a manutenção da lei e da justiça no trabalho incansável como relator que era do processo ultra importante da “Lava Jato”. Processo que tem e tende a revelar o restante do seguimento pobre da política nacional e a reformular a política brasileira. 

  Sem mais, deixou aqui a minha mais sincera e profunda manifestação de pesar a família, amigos e a todos do meio jurídico. Penso que, um homem não se notabiliza pelo que pensa em fazer, mas sim pelo que faz. Desejo que Deus, independente de credo religioso, dê paz, conforto e muita força para que todos sigam em frente. Reflitam. 


João Luciano Silva da Costa.